domingo, 26 de setembro de 2010

03.07.2010

Era para ser simples. Nós cruzaríamos nossos olhares e um dos dois, não importava quem, iria dar um "olá" ou algo do tipo e aí tudo caminharia para o que ambos desejavam já fazia tempo... Mas eu falhei, eu topei no caminho, eu desviei o olhar, eu olhei pra outra pessoa, eu não esperei ou não soube esperar... O fato é que nem sei o que eu fiz com a chance que desperdicei. E como explicar, como dizer que fui pego de surpresa, como justificar que foi difícil?... Não há como fazer isso. Não agora. Fica pra próxima então...

Versão 30.01.2010 de 01.02.2006

Todo cuidado é pouco
quando te deixo louco
por mim
E só dizes sim...
Me vês de longe
E já sabe o que
quero
Dá o que peço
Sem pedir troco
Depois de satisfeito
nem vejo a hora,
te agradeço
te digo um verso.
e vou embora.

sábado, 25 de setembro de 2010

27.06.2008

Contudo, ao contrário da dança, na vida nem sempre podemos realizar os movimentos que queremos ou que nossos corpos pedem. Às vezes é preciso negar o movimento, estabelecer pausas; às vezes dançar no silêncio ou fora do ritmo.

Apesar de Você...*

CENA II – O SORVETE

(Numa sorveteria, Ernesto espera por Glória. Ela chega por trás dele).

GLÓRIA: Demorei? (Senta-se).
ERNESTO: Não, não… Bem na hora! Sorvete de…
GLÓRIA: Mas já? Não vai nem conversar um pouquinho?
ERNESTO: Desculpa!
GLÓRIA: Bobagem… Vamos tomar sorvete!
ERNESTO: E conversar! (Riem. Pequena pausa). Você tem cara de quem gosta de…
GLÓRIA: Adivinha!
ERNESTO: Pitanga!
GLÓRIA: Como é que você sabe?
ERNESTO: Desconfiei. (Servem-se de sorvete).
GLÓRIA: Nunca tinha te visto com o pessoal.
ERNESTO: É… Ontem foi uma exceção!
GLÓRIA: Jeito louco que a gente se conheceu.
ERNESTO: Bendita exceção! (Pausa).
GLÓRIA: Nem acredito que estou aqui.
ERNESTO: Nem eu.
GLÓRIA: Pensou que eu não viria?
ERNESTO: Na verdade, sim.
GLÓRIA: Por quê?
ERNESTO: Não achei que a mocinha tomaria sorvete com o Incrível Hulk!
GLÓRIA: Contanto que você não fique verde… (Riem). Como foi que você se meteu nisso?
ERNESTO: Nisso, o quê?
GLÓRIA: Esse negócio de movimento estudantil, panfletagem, artigos de jornais do diretório…
ERNESTO: Ora, Glória… Eu não me meti em movimento algum! Eu sou estudante; não tem como a gente se meter num lugar no qual a gente já faz parte… A diferença é…
GLÓRIA: A diferença é que vocês adoram fazer barulho!
ERNESTO: A diferença é que a gente participa. (Silêncio).
GLÓRIA: Está bem… Mas da última vez que teve reunião, eu soube que saiu até o nome do presidente, foi a maior discussão e um monte de defesa comunista.
ERNESTO: Defesa comunista? Pelo amor de Deus! É tudo muito bem organizado. Cada vez mais estudantes participam do movimento.
GLÓRIA: Você não tem medo que tanta bagunça resulte numa guerra?
ERNESTO: E você acha que está acontecendo o quê, por baixo dos panos? (Silêncio).
GLÓRIA: Realmente você é muito diferente do que eu imaginei!
ERNESTO: Mas que ideia é essa que você fazia de mim?
GLÓRIA: Você sabe…
ERNESTO: Sei, é?
GLÓRIA: Todo mundo fala.
ERNESTO: É, eu sei! (Pequena pausa).
GLÓRIA: Por que você é assim?
ERNESTO: Mas assim como?!
GLÓRIA: Assim!
ERNESTO: Por que sou.
GLÓRIA: É por que é?
ERNESTO: É!
GLÓRIA: Então está bom. (Pausa).
ERNESTO: Você deveria ir às nossas reuniões!
GLÓRIA: Para quê?!
ERNESTO: Ora, para entender melhor o processo. Ia ver que a causa é justa, e que somos muito mais que um bando de estudantes briguentos!
GLÓRIA: Você é tão…
ERNESTO: Diferente de você?
GLÓRIA: De todo mundo que eu conheço!
ERNESTO: Você não iria às nossas reuniões, não é?
GLÓRIA: Encontraria você lá? (Ele sorri). Então, eu vou!
ERNESTO: Jura?! (Ela confirma com a cabeça). Você vai ver, somos do bem!
GLÓRIA: Já percebi!
ERNESTO: Queremos paz!
GLÓRIA: Você é um guerreiro!
ERNESTO: Sabe qual seria o meu melhor troféu hoje?
GLÓRIA: Não.
ERNESTO: Glória!

* 2003.  Escrito em parceria com A. Danyelli.

domingo, 19 de setembro de 2010

12.12.2009

De tanto que chorei, perdi o sal... Agora sou doce!

18.10.2003




domingo, 12 de setembro de 2010

Versão 12.09.2010 de 17.08.2000

Me perdi na minha própria casa.
Mudaram os móveis.
Devastaram meu jardim.
Reservaram-me apenas o quarto.
Eu disse que não.
Eles disseram que sim.
Abriram a porta pro gato,
Brincar com o cão raivoso.
E foram dormir.

domingo, 5 de setembro de 2010

13.03.2009

Dorme anjo misterioso,
que a próxima manhã
é ainda mais indecifrável.
Dorme que para cada sofrimento interminável
existe uma breve alegria inesquecível.


(Às vezes nossas carências e ilusões nos conduzem por caminhos tão obviamente desastrosos e infelizes, mas cegos seguimos fantasiando flores onde há apenas pedras. É preciso tropeçar nas mesmas rosas para se dar conta que a estrada é circular e a única saída é construir pontes) - 26.09.2012