domingo, 28 de novembro de 2010

Versão 28.11.2010 de 22.11.2010

Escrevo e depois deixo de lado para certo dia mudar tudo, encontrando entre as frases tortas o que ficou escondido: eu e outras tantas reticências. É para isso que tenho escrito compulsivamente; na tola esperança de um dia me encontrar. Ou na melhor das hipóteses, para não me perder.

domingo, 21 de novembro de 2010

Versão 21.11.2010 de 04.10.2008


Quando o maior inimigo é nosso próprio pensamento fica difícil vencer a luta. Estabelecer um diálogo amigável comigo mesmo em busca de transformar a crença da minha mente em algo saudável para ambos, tem sido um desafio diário. Meus pensamentos têm me assustado, me deixado distraído, confuso e com a sensação de culpa. Eu sou o próprio vulto que me segue. Tenho desejado fechar os olhos, talvez precise disso, fechar os olhos e ter uma conversa séria comigo mesmo, deixando claro que somos um só e, que somos amigos e que queremos o bem um do outro. Meio imbecil dizer isso assim, talvez seja. Mas assombrar-se a si mesmo definitivamente não é nada bom. Alcancei um nível, e não tenho orgulho nenhum disso, de não sei o que, de fobia ao futuro, de fobia a um possível futuro trágico, fatal, doente. Estou assustado. Talvez neurótico. Atormentado com a violência da minha cidade e com as doenças incuráveis do mundo e com a possibilidade de morrer prematuramente por uma dessas vias. Qualquer tosse me faz crer ter chegado a minha hora. Qualquer sujeito estranho num momento de distração, me faz acreditar em violência gratuita. Hoje desejo fervorosamente saúde e paz. E um pensamento bom que me pertença e perdure por todo o dia.

* Imagem de arquivo pessoal. Desenho de P. Lucena.

domingo, 14 de novembro de 2010

Versão 14.11.2010 de 01.11.2010

Relampejava em sua cabeça há dias. Trânsito de ideias congestionado. Na vitrine só apatia e, na passarela, falsa indiferença. Fio desencapado faiscando impaciência. Queria o certo, mas não sabia bem chegar até lá. Queria saber se estava de fato errado. Queria conhecer de cor o caminho entre ambos. O futuro é imprescindível para não fazer do presente um caos completo. Mas a dor, a dúvida e o medo não podem sedimentar os tijolos dessa estrada, senão não se para nunca de tropeçar. Às vezes, como agora, é preciso parar por alguns instantes e repensar o caminho.



* Imagem de arquivo pessoal. Palmeira dos Índios/AL.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

07.11.2010

Qualquer hora dessas escrevo uma bobagem e te mando por carta registrada, com aviso de recebimento; só para saber, como antes, o que você anda lendo...

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O Selo do Blog Amigo

   

AS REGRAS:

- Exibir a imagem do Selo no Blog - Ok
- Exibir o link do blog que o indicou - No textinho abaixo.
- Presentear 10, 15 ou 30 blogs e avisá-los - Agora o bicho pega, mas vamos lá:

Pensei em escrever ao lado de cada link o que mais gosto nos blogs abaixo, mas é que já são 00:57... De toda forma, é com carinho que os indico para receber esse selo, que eu recebi sem esperar e de forma tão afetuosa da Ana Agarriberri (Molhe-se). Como talvez alguns de vocês não sejam dados a esse tipo de intercâmbio bloguiano, fica a critério de cada um seguir as regrinhas do selo. De toda maneira, indico esses links porque de fato me interessa e me instiga demasiado o que há escrito em cada um deles. Vale muito a pena visitá-los, seja por entretenimento, reflexão, conhecimento, beleza, simplicidade, provocação e outras tantas razões...
  1. A Escrevedora
  2. Blondor Mental
  3. Calandra Intocável
  4. Compartilhando Nostalgia
  5. Conversa pra boi dormir
  6. De Mim Quase Nada
  7. Noventa e Dois
  8. Pura Loucura
  9. QUERIA UM DIA NO MUNDO
  10. Sacos Plásticos
No mais, uma feliz semana para todos e todas!
Forte abraço!
:o)

domingo, 7 de novembro de 2010

02.10.2010

É tudo muito urgente
A vida urge mim
A morte corre
Tudo muda rapidamente
Tudo muda a gente
A gente morre

Apesar de Você*

CENA III – O APARTAMENTO

(No apartamento de um amigo em comum.).

GLÓRIA: Gostei daqui.
ERNESTO: Estou precisando muito desses livros!
GLÓRIA: Ele disse que estava naquela estante.
ERNESTO: Ah, sim! O Paulinho foi muito gentil em emprestar o apartamento.
GLÓRIA: É mesmo! Ele tem um monte de disco legal… (Ela se dirige aos discos e ele à estante de livros. Silêncio.). A turma marcou de se encontrar amanhã, na casa da Helô. Não quer ir?
ERNESTO: Eu?!
GLÓRIA: Vai passar o festival de música, pela TV. Sei que você gosta!
ERNESTO: Esses encontros sempre acabam com disco de Roberto Carlos na vitrola…
GLÓRIA: Prometo que te faço companhia!
ERNESTO: Está bom! Está bom… Eu vou! São ossos do ofício!
GLÓRIA: A gente vai conversar…  (Ela põe um disco pra tocar na vitrola).
ERNESTO: O difícil vai ser encontrar o assunto.
GLÓRIA: Eu te ajudo a procurar! (Ela o convida para dançar; eles dançam. Ele a aperta durante a dança). O tempo está passando tão rápido… Olha só para gente… 3 meses. (Ela se solta dos braços dele e pára a música). E o Jango?
ERNESTO: Que é que tem?
GLÓRIA: O que você achou do comício do dia 13?
ERNESTO: Eu acho que as reformas de base são uma necessidade para o desenvolvimento do país.
GLÓRIA: A reforma agrária? Você acha mesmo que vai acontecer?
ERNESTO: Estamos vivendo um clima de tanta tensão, que a essas alturas a minha maior preocupação é o golpe militar!
GLÓRIA: Golpe militar?! E o que você me diz do comunismo?
ERNESTO: Glória, se você que é universitária, se deixa levar por essa propaganda enganosa, imagine o resto da população! Você não vê que isso é estratégia para convencer que o regime militar é o melhor?
GLÓRIA: Não sei, não! Só sei que o país precisa mesmo é de ordem! (Pausa. Dessa vez ele põe a música).
ERNESTO: Sabe jogar xadrez?
GLÓRIA: Que pergunta!
ERNESTO: Sabe ou não sabe?
GLÓRIA: Sei sim! Mas não é todo mundo que se interessa!
ERNESTO: Você tem um parceiro, agora! (Beijam-se.).

* 2003.  Escrito em parceria com A. Danyelli.