quarta-feira, 27 de abril de 2011

28.03.2011

E se houver isso de medo sob medida, desejo um pouco; não tanto quanto tenho, apenas um pouco, o suficiente para me mexer, avançar. Apenas um pouco para sair do lugar!

Dia ruim de pesca*

Nesse lago de frases feitas que é minha cabeça, hoje nenhuma palavra fisgou minhas ideias de rimas pobres.

* 16.04.2011.

domingo, 17 de abril de 2011

30.08.2009

Falo de quando o amor do outro acaba e o nosso sobra e, a gente simplesmente opta por seguir sem aquilo que o outro já não pode ou não quer nos dar; ao invés de relutar, de cobrar aquilo que já não nos pertence... Falo de consciência tranquila.

Sem data*

Não há mais sinal algum
lembrança nenhuma sobreviveu
ao tempo que não passa,
mas que nos leva pra longe
não dói, nem coça
nem fome, nem riso
nem nada
só isso,
nada demais
apenas amigos(?)

* Algum dia de 2005.

domingo, 10 de abril de 2011

Pedacinho de 08.12.2008

Aconteceu de pensar que talvez.
Aconteceu de querer outra vez.

25.03.2010

Trovejou bem em cima da minha casa, exatamente sobre meu quarto. Levantei e quando abri a porta pra ir trabalhar, o mundo não estava mais lá fora! Agradeci e voltei a dormir!

domingo, 3 de abril de 2011

Versão 03.04.2011 de 04.11.2010

Ele não lia. Não quando se tratava de Clarice. Quando era Clarice, ele dançava sobre a cama com o livro na mão, inventando um novo passo, sempre uma nova posição ao virar as páginas. Quando era Clarice ele apenas sentia, dançando cada palavra como se a cama fosse um palco. Parece até que Clarice escreveu para ele dançar!