sábado, 10 de dezembro de 2011

23.01.2010

Ele agora falava de amor. Agora estava feliz por compreender certas coisas por um ângulo otimista e positivo. Havia esperança em seu peito, não de que algo bom e óbvio como encontrar alguém para viver junto estivesse prestes a acontecer, mas esperança de que o que está por vir é bom, é iluminado, é alegre... Ele passara a ver amor em tudo, até no que aparentemente pudesse fazê-lo chorar. Sabia que ainda sentiria dor, mas tinha uma certeza de que estava mais forte para aguentar. Ele não falava de amor somente, ele sentia amor rodeando-o. Ele sentia-se amado não exatamente porque ele sabia quem o amava, mas por algo invisível, que ele podia até chamar de Deus, mas que se ainda assim não fosse esse o nome, estava ali com ele, não ao lado, mas dentro!

Um comentário:

Parole disse...

Belíssimo texto, querido e é verdade, o amor começa dentro da gente.

Beijinhos