domingo, 25 de março de 2012

Série Amor de Circo* - 4/7

Senhoras e Senhores, perdoem a piada sem graça, mas é que esse palhaço cansado deixa o picadeiro de coração partido. Por mim a lona desce e as luzes se apagam. Se não, que chova, que a lona é furada e aí ninguém escapa. Essa tempestade não é chuvisco. Foi com esse gosto de pipoca estragada que rolei em nossa cama feito rumbeira mal amada. Dormi com o leão e acordei ferido, da cor do meu nariz. O próximo quadro seria mais feliz?...

* Título provisório (trecho escrito em 20.02.2012 - versão de 05.07.2011).

segunda-feira, 19 de março de 2012

+ 18.03.2012*


[...]
ELA: Lembra quando a gente se chamava de linhas paralelas? E a gente era assim mesmo. Iguais, necessários um ao outro, feito linhas paralelas. Só que elas não se encontram…
ELE: Se encontram no infinito.
ELA: Acho que a gente só vai se encontrar lá.
ELE: Ou num ônibus lotado! (Risos sem graça).
ELA: Pois é…
ELE: É, né? Ai, ai…
ELA: Calor, né? (Ele afirma com a cabeça). Vou descer aqui. A gente se vê (olham-se uma última vez, antes dela descer do ônibus).
ELE (só no ônibus lotado): Tomara.
[...]

* Trecho de "O Ônibus", de Aline M. e Amanda D., inspirado em "O Dia que Júpiter Encontrou Saturno", de Caio Fernando Abreu.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Série Amor de Circo* - 3/7

Mas tem hora que o macaco não obedece. É domador, bicho manso também se aborrece. Revelara-se o segredo por trás da mágica e eu aguardava apenas sua chegada para ver sua maquiagem borrar até sumir. Quem faz graça agora é o palhaço aqui. Soltei os bichos. Salve-se se puder porque o elefante é meu amigo. Frente a mim, sua cor escondeu-se e entre o que ainda restava das minhas pernas bambas que eu insistia em disfarçar, juntei forças para não vacilar. Naquela noite ninguém dormiu, no meio da confusão palhaço mandou mágico pra puta que o pariu.

* Título provisório (trecho escrito em 18.02.2012).

sexta-feira, 9 de março de 2012

Série Amor de Circo* - 2/7

Era show todo dia, não sei de onde brotava tanta alegria. Mas a vida mambembe não é assim tão bela quanto atraente. É preciso cuidar dos bichos e, dar banho em leão é um perigo. Não demorou muito e suas ausências começaram a prejudicar o espetáculo. Número mal ensaiado nem pensar em ir ao palco. Ok, vamos tentar mais uma vez. Com flores e sorrisos tudo pareceu como no início. E sem perceber me levavam por hipnose a caminhar na corda bamba para acordar em pleno globo da morte. O público não acreditava no que via, o mágico era bom e o voluntário que se f...

* Título provisório (trecho escrito em 18.02.2012).

09.03.2012

Não estranhem se de repente eu mudar

tudo de lugar

Não estranhem se de repente eu

mudar tudo

Não estranhem se eu mudar

o lugar




Não estranhem se eu ficar
mudo

Não me estranhem, se eu mudo



pra                 ficar

domingo, 4 de março de 2012

Série Amor de Circo* - 1/7

O espetáculo teve início no instante preciso em que as cortinas dos meus olhos foram suspensas para te ver entrar. A alegria tomou conta da cena naquela festa entediada. Você sorriu e o que era um palco em blackout iluminou-se revelando um cenário colorido e dinâmico. Respeitável público, com vocês o mais belo sorriso da terra!!! Não entre na jaula sem chicote que esse leão não tem nada de domado, me avisaram. Mas o som estava alto demais para me dar conta do perigo eminente. Dançamos graciosamente como um balé aéreo sem risco de desabar. E dormimos abraçados tão colados que o equilíbrio de um dependia do outro. Estava resolvido, vou fugir com o circo.

* Título provisório (trecho escrito em 04.09.2011 e 07.01.2012).

Versão 04.03.2012 de 10.12.2011

Tenho acumulado tanta coisa para escrever que agora não sei por onde começar. Vontade louca de cuspir todos esses pensamentos eufóricos e conflituosos, mas a saída é tão estreita que eles se apertam e emperram. Vontade de falar do amor, da família, vontade de falar das coisas por fazer, lotando minha agenda e inevitáveis de adiar. De tudo o que aprendi esses dias; não, nada de leis, regras, teorias ou teses, mas sim coisas sem nome, nuances, sutilezas, sentimentos.
Aprendi um pouco mais de vida esses dias e nem sei se me servirá amanhã, porque tudo tem mudado tanto, tão rápido e sem pedir licença que me falta ligeireza para acompanhar... Queria saber continuar daqui, mas tem um fone, um sono, uma fome me confundindo, trocando as palavras e é melhor eu cantar alto ou deitar e dormir antes que as palavras me traiam!