domingo, 4 de março de 2012

Versão 04.03.2012 de 10.12.2011

Tenho acumulado tanta coisa para escrever que agora não sei por onde começar. Vontade louca de cuspir todos esses pensamentos eufóricos e conflituosos, mas a saída é tão estreita que eles se apertam e emperram. Vontade de falar do amor, da família, vontade de falar das coisas por fazer, lotando minha agenda e inevitáveis de adiar. De tudo o que aprendi esses dias; não, nada de leis, regras, teorias ou teses, mas sim coisas sem nome, nuances, sutilezas, sentimentos.
Aprendi um pouco mais de vida esses dias e nem sei se me servirá amanhã, porque tudo tem mudado tanto, tão rápido e sem pedir licença que me falta ligeireza para acompanhar... Queria saber continuar daqui, mas tem um fone, um sono, uma fome me confundindo, trocando as palavras e é melhor eu cantar alto ou deitar e dormir antes que as palavras me traiam!

Um comentário:

João Krustin Guimarães disse...

Eu já falei alguma vez pra você que você é genial na tua simplicidade?
Se já, repito.

Um milhão de vezes.