domingo, 29 de julho de 2012

Versão 29.07.2012 de 02.11.2009

sua indiferença, sei lá, silêncio
seu silêncio, sei lá, introspecção
você assim calado, parado, na sua
sem seu contato, o que pensar
se vim de longe
e mesmo assim parece que não saí do lugar
pareço fantasma te acompanhando
pelos cantos da casa
pareço sombra
minhas perguntas te irritam
você assim na defensiva, o que fazer
se não sei se agrado
e você diz que tudo bem, normal
e eu vou embora com a sensação
de que estive o tempo todo
no lugar errado.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Versão 25.07.2012 de 20.02.2012

Ela não sabia o que fazer para si própria, de tanto que fez pelos outros. Por isso reclamava de quem sabia e se entristecia. Foi minguando sem saber. Só os outros que viam. Ela talvez nem suspeitasse. Parece sem volta, talvez seja - volta-se?. Ela não parava para ela, nem andava. Ela não parava de buscar o que fazer para não descobrir que não sabia quem era. Ela não queria descobrir que era triste ou onde podia encontrar alegria!

domingo, 22 de julho de 2012

02.06.2012

É tão tarde e eu sempre resistindo à cama. Não sempre, mas não raras vezes me pego assim, com sono, tarde da noite, sem nada pra fazer que não seja ouvir as mesmas músicas, tentar me superar em qualquer joguinho do computador, ver putaria... rastreando palavras, histórias, imagens, tentando espremer qualquer ideia genial ou buscando o sentido da vida, da existência e do seu fim, tão só... a vida, tão solitária em sua existência, dia após dia desviando da morte, como se o encontro não fosse inevitável; cada dia que a vida consegue descansar, a morte acorda mais cedo pra tentar encontrá-la. Deve ser isso, essa resistência ao sono, tentativa vã de me manter vivo o maior tempo possível, tola esperança de ver a morte dormir no ponto e me deixar passar e fugir para bem longe como se ela não habitasse o mundo inteiro. Aí o sono vence as forças e eu desabo na cama, torcendo pra morte perder a hora de acordar.

17.11.2008

Não há saudade nem dor.
Não há tristeza
Não há falta de nada
Não há alegria também
Não há o que esperar
Não há o que desejar em especial
Não há inteireza no agir
Não há também vazio total
Há uma vontade de sexo somente
Há um duelo entre o fugaz e o duradouro
Há um querer longo passageiro desejo por quem passar
Há uma esperança de nada...

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Versão 18.07.2012 de 25.10.2010

Caminhando para o acerto
tropeço sempre nos mesmos erros.
Levanto coberto de culpa
e volto a pisar num chão de incertezas,
me perdendo entre os atalhos.
Companheiros de viagem,
se despedem constantemente.
Não há retorno, ou pista sinalizada,
mas um novo começo a cada dia.
Basta levantar sem medo
e retomar a caminhada.

07.07.2012

Depois de tanto chorar...
Floriu!

domingo, 15 de julho de 2012

25.12.2010

E todas as verdades que digo aqui são mentira. São todas fruto de uma projeção mesquinha e egoísta. Nada aqui valerá sem essa condição de que tudo não passa de um delírio, de um ponto de vista turvo e limitado. Nenhuma dessas palavras bem organizadas revela realmente o que aqui está descrito. O que de fato é, não tem enfeite. É tudo balela, fuga. Há muito mais no não dito. Há um buraco no caminho entre o pensamento e a palavra dita ou escrita e nesse buraco reside toda a verdade omitida, sem cor nem brilho. O que finjo não saber é que esse buraco é raso e já está abarrotado.

10.06.2011

Pisa fundo nesse teclado e escreve o que vem à mente. [enter]
Vai entender essas coisas... Deve ser sono. [enter]
(pausa longa)... Aaaaaaaaaaa.
(outra pausa). A.
(respiração profunda). Quero um sonho... bom. Um sonho desses de acordar pronto pro dia, pronto pra vida. Pronto. Cada passo dado conscientemente, desde escovar os dentes até calçar os sapatos e seguir sob o sol da manhã cruzando a pé o trânsito de uma sexta sem força pra estressar meu pobre coração que conseguiu chegar até aqui inteiro e não será um dia, o último da semana, que estragará o desejo de ser feliz, melhor de ver os outros felizes!!!! Eu quero todo mundo feliz pra não ter que me preocupar com mais nada. Eu quero todo mundo tendo um sonho bom de se acordar pronto pra vida!!! [enter]
E pronto.

Eu quero todo mundo feliz pra não ser preocupação pra ninguém!

quarta-feira, 11 de julho de 2012

23.05.2010

Difícil estar em partes. Difícil ser deixado à parte por quem nós queremos inteiro!

domingo, 8 de julho de 2012

Trecho de 06.07.2012

O que é seguir? O que é estar junto? Ir junto na vida? Quando leio o que você escreve, sabendo que tem a ver com a gente, eu sei o que é estar junto. Quando nos juntamos na cama, eu sei. Quando conversamos, eu sei. Quando me irrito, eu esqueço. Quando duvido, eu pareço desaprender. Quando você se preocupa, eu volto a saber. Quando eu me preocupo, eu não sei se você sabe, se percebe. Eu me faço claro?

15.04.2011

Quero mordida, aperto, porrada, tapa na cara.
Quero força, quero forçar corpo a corpo.
Quero brutalidade, nada de delicadeza.
Quero saliva e beslicão.
Quero arranhão, lambida e palmada.
Respiração ofegante. Puxão de cabelo.
Nada de trégua, não quero intervalo.
Quero perder o fôlego, quero grunhido, rosnado.
Quero na cozinha, na sala, no quarto.
Quero dolorido, sufocado, quero arrochado.
Não quero descanso, nada de leveza ou abraço apaixonado.
Quero sujo, quero melado, por cima e por baixo.
E aí então cair de cansaço
Dormir exausto só no dia virado.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

14.01.2012

Você nessa de lágrima
E eu achando é graça
Você nessa desgraça
E eu por nada entro na briga

Você não para de chorar
E eu não canso de piada
Você diz alegria não é da nada
E eu me acabando de sambar

Vem pra cá deixa de dengo
Saí daí desse buraco
Tão bom viver de aconchego
Tá ruim muda de lado