domingo, 15 de julho de 2012

25.12.2010

E todas as verdades que digo aqui são mentira. São todas fruto de uma projeção mesquinha e egoísta. Nada aqui valerá sem essa condição de que tudo não passa de um delírio, de um ponto de vista turvo e limitado. Nenhuma dessas palavras bem organizadas revela realmente o que aqui está descrito. O que de fato é, não tem enfeite. É tudo balela, fuga. Há muito mais no não dito. Há um buraco no caminho entre o pensamento e a palavra dita ou escrita e nesse buraco reside toda a verdade omitida, sem cor nem brilho. O que finjo não saber é que esse buraco é raso e já está abarrotado.

3 comentários:

João disse...

Eu simplesmente não sei de onde eu tiro tanta coisa para escrever. É tudo mentira também. Todos nós escritores somos mentirosos. a questão é para quê mentimos.

eu não sei porque eu minto. Na verdade eu não minto, quem mente é Heitor.

João disse...

estou no mesmo esquema que você,cara. Preguiça de te escrever. E as mesmas ocupações que você citou no último e-mail também estão me aflingindo.

Gracita disse...

Costumamos escrever aquilo que vem do coração. às vezes é um grande desabafo. Obrigada querido por sua visita encantadora e por seu carinho.
“Que a cada manhã ao abrir os olhos você sinta em seu coração a certeza que a vida lhe espera de braços abertos para receber suas esperanças e realizá-las.”
Tenha um lindo dia!
Beijinhos com ternura
Gracita