quarta-feira, 17 de julho de 2013

15 e 16.11.2011

Uma hora lutando com o travesseiro (em busca da melhor posição que me leve os sentidos e eu possa caminhar de olhos fechados para o dia de amanhã) e, derrotado, salto da cama para impedir que eu permaneça deitado em vão, aguardando um sono que insiste em não vir.
Tem algo nesse travesseiro que não me deixa dormir. Mal deito minha cabeça e o pensamento roda torturando as ideias com perversidade e mal presságios. É acendendo a luz do quarto e danando a escrever que espero chegar o sono sem perceber.

2 comentários:

D. disse...

Antigo e recente?



Saudades, querido.

Nada como, não é mesmo?
Trás uma inspiração quase-que sufocante.


Estou no meu cafézinho em um café acompanhada de um bom livro, pra distrair. Espero você por aqui.

Gracita disse...

Olá amigo reticente
Quanta malvadeza! Tirar o sono? Pode ser mas que os escritos advindos dessa insônia são encantadores. Então que assim seja! Cada noite mais inspirado.
Hoje vim deixar meu abraço de afeto e carinho. Vou ausentar-me por alguns dias para descansar. Voltarei energizada. Meu coração se encherá de saudade mas esta pausa é necessária. Agradeço a sua visita ao meu recanto poético. Você o deixa iluminado com teu halo de luz. O teu carinho e a tua amizade são muito importantes para mim. Deixo beijokinhas com sabor de saudade recheadas com o carinho da minha amizade.
Gracita
Tem um mimo pra você!