domingo, 29 de dezembro de 2013

05.10.2010

Nessa insistência de prever futuros tristes, o presente se esvai em desânimo. O caminho se torna desinteressante e antes que se imagine a tragédia em detalhes, já se encontra deitado no abafado do seu quarto escuro lamentando as dores calculadas.

Um comentário:

O tempo das maçãs disse...

Colhemos o que plantamos...
Como sempre genial, querido.

Ótimo início de ano.

Beijinhos.