quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Versão 11.12.2013 de 11.2009

Não foi raiva, nem mágoa. 
Foi tristeza mesmo. 
Uma falta de razão. 
Uma agonia que dormia e acordava comigo. 
Um sinal de interrogação.
Foi vontade de acertar os ponteiros
com as palavras, não com o silêncio.
De querer te olhar nos olhos 
e saber o que se via. 
Vontade de ver o tempo passar
e saber o que acontecia. 
De saber o que era, não o que seria.

Nenhum comentário: