domingo, 8 de junho de 2014

07 e 08.06.2014

Aborto palavras e mais palavras, tem dias não dou à luz nada, sequer meia dúzia de sílabas embaralhadas. Talham e matam-me ao vê-las disformes escorrerem para longe de qualquer sentido que pudessem ter. Perdem-se num breve e dolorido intervalo em que, ansioso, antecipo-me na busca pelo ponto final que lhes serviria de berço. Reticente permaneço. Mas não me estremeço, nem guardo trauma que me impeça de preservá-las desse mesmo jeito, mal nascidas ou mortas-vivas; para enfim num outro dia, sem atropelo, olhá-las mais de perto e voltar a enfeitá-las de vida.

Nenhum comentário: