quarta-feira, 6 de agosto de 2014

09, 11 e 13.04.2014

Eu sempre penso
que o que te devolvo
ainda é pouco;
tanto que talvez
balance solto
em seu coração.

Será que meu abraço
te cobre inteiro,
te basta até
chegar em casa?

Será que meus olhos
brilham direito,
para te fazer
seguir sem medo
pela estrada?

Será que minhas piadas
sustentam teu sorriso
a noite toda, até o fim
da madrugada?

Será que o meu corpo
é o melhor alento
para suprir
a sua ânsia e
fantasias projetadas?

Desejo então que esses versos
mal rimados ocupem ao menos um pouco
do espaço que lhe deixo desocupado.

Um comentário:

Gyzelle Góes disse...

Só seus versos já preenchem qualquer coração, meu bem. Só se indague na poesia porque assim é bonito...