domingo, 26 de outubro de 2014

14.10.2014

- Você sonha?
(pausa)
- Ah, às vezes.
(mais pausa)
- E o que você sonha nessas vezes?
(pouca pausa)
- Ah, às vezes eu sonho bobagens.
(sem pausa)
- E nas outras vezes?
(outra pausa)
- Ah, nas outras vezes... Nas outras vezes, eu realizo.

26.10.2014

Foi azar, querido. Nada mais que isso. Mas apesar de todas as evidências, a sensação de total insegurança não pode ser alimentada, ela não é de toda verdadeira. É muito provável que o trauma das experiências anteriores se fortaleçam com mais essa. Contudo, espero que você descubra uma maneira tranquila de escoar isso para fora da alma, que não incruste no seu pensamento nem tolhe o desejo de fazer coisas que gosta e que planeja.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

22.10.2014

Dúvidas passeiam
nos fios vermelhos
de seus despenteados cabelos
ao vento, as súplicas
agitam-se dispersas
pelos múltiplos espaços
do seu pensamento

domingo, 19 de outubro de 2014

19.10.2014

Feito limonada suíça,
deixaram de beber a vida juntos
e tão logo quando servida
que amargaram-se dela esquecida

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

14.10.2014

- Você sonha?
(pausa)
- Ah, às vezes.
(mais pausa)
- E o que você sonha nessas vezes?
(pouca pausa)
- Ah, às vezes eu sonho bobagens.
(sem pausa)
- E nas outras vezes?
(outra pausa)
- Ah, eu não sonho. Só sonho às vezes!
(silêncio)

domingo, 12 de outubro de 2014

09.10.2014

Arrastou aquele pensamento consigo o dia inteiro, tão surdo de outra coisa que pensar. Deu-lhe alimento a todo instante. Tanto e da melhor safra de raiva, que ganhou corpo possesso, esse mesmo que o pensou. E agiu, sem pensar. Descontrolou-se como criança aprendendo a andar. Correu esbarrando onde pôde, ferindo e causando tumulto, tropeçando, não sabendo explicar-se, caiu!

domingo, 5 de outubro de 2014

10.10.2012

E agora,
toda noite
quando me deito
me sobe um desejo
e te imagino ao meu lado

Desde que você prometeu
aparecer
fantasio nós dois
nesse quarto

Apago a luz
querendo te ter
imagino o perigo
dos nossos corpos
tão próximos
que no meio da escuridão
eu penso que

quando você vir
me visitar
talvez seja melhor
eu dormir no sofá.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Continuação de 06.12.2010

Talvez um único beijo
apague esse fogo
Um beijo
sem pudor,
apertado, sufocante
e teremos a resposta precisa
para tudo o que não houve, 
para tudo o que ficou 
nesse lugar invisível
do pensado 
e não realizado
que a gente
parou.