quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

27.02; 08.03 e 31.12.2014

Fazer do tempo -
o pouco que seja
(na madrugada
ou no almoço,
no trânsito
ou na sala de espera);
ou o muito que se tenha -
um espaço propício
para se criar com
o que (ainda) não sabemos lidar -
uma peça ou um poema,
um novo jeito de viver
ou tratar o outro -
é sempre
uma boa forma
de continuar.

Um comentário:

Simone Lima disse...

Geralmente dói, arde e/ou coça! Principalmente quando se fala no tempo. Penso que nunca farei as pazes com ele, nunca nos entenderemos :/

R: Eu escrevo tudo e só depois escolho a imagem. Sempre!

Beijoo'o ;)