domingo, 22 de março de 2015

01.02.2015

Essas coisas vão nos destruir, eu sinto. Existem passos que não devem ser dados solitariamente. Abri precedentes para entendimentos desconfortáveis, que testam a força do que somos. Não sei o quanto te feri, o quanto doeu por trás do seu sorriso indiferente. O que talvez você não saiba e nem venha a acreditar, por mais que eu te diga, é que essa possibilidade de caminho apenas alimentou ainda mais o desejo de não me desviar de você!

Um comentário:

Simone Lima disse...

Que lhindo! O repouso livre. do pássaro na mesma árvore.

Bjo'o