domingo, 26 de abril de 2015

Versão 26.04.2015 de 05.01.2013

E com a língua
no seu ouvido
fala de saliva
e gemidos.
Enquanto ensaia,
em vão, uma fuga
daqueles braços;
sufoca suado,
soterrado
pelo peito
ofegante
de quem
não tem pressa
em ser saciado.

Nenhum comentário: