domingo, 14 de junho de 2015

Última parte de 09.03.2015

Saboto-me constantemente de maneira espontânea pois não há como controlar esse movimento perpétuo de nunca ser, esse movimento que não faz outra coisa a não ser apontar apenas o que pode haver, sempre desprovido de garantias.

Nenhum comentário: