quarta-feira, 29 de julho de 2015

18.02.2015

Talvez não seja o caso, meu amor, de anunciarem no noticiário. Mas deixe o rádio ligado! Os raios e trovões que assustam sua gata sou eu chegando molhado para lavar o chão da sua casa. Essa tempestade sou eu cobrindo cada bairro dessa cidade, acordando as crianças nos berços e camas e intimidando os veículos, seguindo na direção da sua morada, sem pena de encharcar as paredes dos edifícios e alargar os buracos da estrada... Se sua porta agora treme, talvez já seja eu querendo entrar iluminado e barulhento a fim de te tirar o sono. Invado cada cômodo na mesma velocidade que seus olhos me acompanham úmidos e arregalados.

22.04 e 29.07.2015

O casal canta
logo ali,
parece feliz.
Eu que
ouço daqui
já decidi
não vou mais
dormir.

domingo, 26 de julho de 2015

26.07.2015

O instante exato
em que a luz pousou
naquele abraço
pareceu momento ensaiado
mas era puro acaso
ficaram lindos
os corpos iluminados

26.07.2015

Os olhos dos dois
não piscaram
enquanto se olhavam
naquele curto espaço
de tempo chuvoso
quando se viram
uma vez mais
por acaso
até seguirem
novamente cada um
pro seu lado

quarta-feira, 22 de julho de 2015

03.06.2015 e 22.07.2015

Você cobriu meu corpo com um ipê amarelo.
Tronco sobre tronco, copa sobre cabeça.
Fechei os olhos e virei imagem.

domingo, 19 de julho de 2015

12.05.2011 e 19.07.2015

Danou-se pelo mundo
da imaginação
sem sair do lugar
perdeu-se em frustração.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Mais outro trecho de 15-16.11.2010

Estou a um passo de mudar de vida, sabe aquele giro de 360º? É pra lá que quero ir agora; aliás quero ir pra qualquer lugar longe de onde estou agora, de como estou agora: nervosoestressadoimpacienteagoniadotristeindeciso... eu sou apenas um reticente estado de ânimo. No meu quintal havia uma goiabeira, digo no quintal da casa dos meus pais, onde cresci. Cresci na praia e no quintal antes da praia havia uma goiabeira enorme onde pintei o sete. E lá vou eu com essa tendência a desfilar saudades e nostalgias do que não guardo nem mesmo em porta-retratos. Mas está tudo aqui em cada gesto, em cada olhar que lanço quando saio na rua, quando vou ao trabalho e quando retorno pra casa cansado do dia que me consumiu a alma e só me deixou energia suficiente para alimentar meu gato antes de deitar. Hoje me degladio comigo mesmo para que nas poucas horas livres eu possa finalmente dar o impulso que resultará nesse giro de 360º, mas tudo que acabo fazendo é aumentar minha coleção de pornografias.

22.12.2010

Lascando o peito com dúvidas até lapidar (ao menos) uma certeza!

domingo, 5 de julho de 2015

04.07.2015

Adoeci de me dar prazer...

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Versão 30.11.2014 de 10.03.2013

Piso na cidade e ela devolve meu passo
com buracos, assaltos e postes apagados.
Caminho sem rumo, incerto, inseguro
respiro pausadamente.
Assusto-me com os indigentes -
tão sem culpa, da culpa que lhes dão.
E na falta de destino,
encontro lixo, pressa, solidão.
Pé ante pé sigo as placas -
quando as identifico -
dobro as esquinas,
atravesso as ruas
de semáforos queimados.
Perco meu espaço
para os carros apressados.
Buzinas, alertas, celulares tocando
Lojas, panfletos, esgoto esborrando
Os ratos passeiam livremente
as baratas já não temem mais a gente.
A cidade vai dizendo, marcando meu corpo
com seus muros, seus outdoors, seu povo
apático, assustado, indiferente, endividado.
Ela me atinge enquanto caminho diariamente.
Enquanto repouso (em estado de vigília).
E no caminhar ou no descanso,
sinto que ela também não é erguida sem mim,
pois trago no corpo, tudo dela que ajudo a construir.