quarta-feira, 30 de setembro de 2015

30.09.2015

Mordida
assim
a dura
vida

Restara
então
puras
lambidas

29.09.2015

Para João


Anonimou-se
o animado
rapaz

Se antes
nomeara-se
demais

Escondeu-se
hoje em nome
de paz

domingo, 27 de setembro de 2015

Parte de 04.07.2015

Narrativas repetidas
de orgasmos apoteóticos,
irreproduzíveis
na sua cotidiana existência,
preenchiam suas madrugadas
insones de melancolia.

domingo, 20 de setembro de 2015

03.12.2014

Leite amargo.
Azedou o amor.
Olhei de baixo a cima
e no meu olhar
você não se encontrou

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

15.09.2015

Seu dedo cortado ardeu muito mais tarde, em mim, quando o ácido sulfênico das suas ações me fez chorar.

domingo, 13 de setembro de 2015

13.09.2015

- Você está percebendo isso? Que merda!
- O que?!
- Isso, esse ruído.
- Ruído? Que ruído?
- Isso, esse ruído entre nós nesse momento, não tá vendo, não?!
- Que porra de ruído?!
- Você não percebe mesmo, né?!
- Do que você está falando, inferno?!
- Disso que você acabou de fazer, caralho!
- O que?
- Ou será que sou eu?! Que merda!
- O que, porra?!
- Essas perguntas, você não percebe? Não tá vendo, não?!!
- Acho que é você! Você que tá vendo demais!!!
- Será?
- É sério, você está bem?!
- Deixa pra lá...
- Não, fala. O que houve? Do que você está falando? Que ruído é esse?! Qual o problema das perguntas?!! Puta que pariu!!
- As respostas! O problema são as respostas!
- ...

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

03.08.2015

Fui tomado de silêncio diante da minha ignorância, da minha prepotência, do meu egoísmo. Calei quando me vi cheio de mim, incapaz de acolher o outro. E quando percebi, um pouco tarde, minguei, engelhei, feito uva passa, envelheci desnecessariamente de falta e autossuficiência. Ainda não sei se é de perdão que se resolve essas coisas, penso que talvez seja apenas de calma. Calma que daqui a pouco me abro, aceito, relaxo os poros e paro de tentar interromper o que me afeta. Você me afeta e não posso impedir, não quero, embora às vezes, como dessa vez, caminhe nesse sentido idiota e mesquinho. Você me afeta e eu te afeto e sem essa afetuosidade não sei sigo. Sei apenas que não quero seguir sem seu afeto.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

02.09.2015

De inícios interrompidos
definham minhas
histórias inconclusas.
Nisso de descontinuar
coleciono então
fins imprevisíveis
de realidades
fantásticas.