domingo, 8 de novembro de 2015

08.05.2015

 Para E. M. e para os que ficaram, por enquanto.

Seu corpo emergiu
apodrecido de silêncio
de dor secreta
de distância desnecessária.

Seu corpo brotou em lágrimas
e afogou as lembranças
em pedaços mal colados

Seu corpo ecoou
palavra engasgada
garganta embargada
de dor e nó

Seu corpo se afastou
do pulso, do calor
para gelar nu
e triste
sobre a solidão

Seu corpo esperou
calado e frio
chamando pelo cheiro
o socorro que você
optou não ter pedido,
em vida.

Nenhum comentário: