terça-feira, 12 de abril de 2016

12.04.2016

Vacilando avanço
e retrocedo e marco
os passos que desenham
os caminhos
as pistas
os atalhos
Nada muito permanente
Nem tudo assim tão vago
construo estradas
vias
trechos
brechas
desvios
alternando tropeços
e passos ensaiados
respeito terra e pedra
onde não cabe asfalto
É de seguir sempre
o gosto de quando paro.

Nenhum comentário: